quinta-feira, 25 de agosto de 2016

TIC TAC – Por Geane Oliveira

Geane Oliveira: Graduada em Licenciatura em Teatro / UFPA e Participante do Projeto TRIBUNA DO CRETINO.

Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tacTic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tacChegamos! Estamos no Teatro Claudio Barradas e estamos diante de um espetáculo de um dos grupos mais antigos da cidade. Dois homens embaixo de uma árvore – para que mesmo essa árvore? Seria realmente necessária? Um trabalho plástico incrível, mas parecia perdida? Perdidos foi o que se tornou o publico conforme o tempo passava – tempo – tic tac tic  tic tac tic tic tac tic  tic tac tic tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic... Uma representação de teatro do absurdo, esse era o trabalho do Grupo de Teatro Palha. Se fosse pensar apenas no meu gosto diria que tive um encontro com tudo que já li e ouvi sobre as montagens da peça Esperando Godot, de Samuel Beckett, diria que inicialmente não encontrava uma razão para ser tão fiéis a peça original. O que mesmo queriam discutir com uma representação de um clássico da história do teatro? O tempo parecia não passar, o tédio me consumia tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac, e diante de um tempo algoz tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac consegui enxergar toda miséria de homens que levam a vida ( tempo) tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac, tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tac á esperar que algo aconteça tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac. “Agora vai melhorar”, tic tactic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac “Agora o pobre vai ser privilegiado”, tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac. “Agora esse governo vai fazer dá certo...” tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac” Discursos que nada dizem e ainda fazem indivíduos ficarem esperando por quem nunca vem tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac. Homens que vivem em uma constante miséria, mais que mesmo encontrando um mensageiro ainda não dizem o que realmente querem e continuam á esperar tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac, tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic 
“ONDE TERÁS QUE ESPERAR…” tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac, tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac- Terás que esperar no absurdo de ter o poder para mudar e continuar na espera do nada, escravo do tempo tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac, tic tac tic  tictac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  tic tac tic tac tic tac tic  Finalmente as luzes se apagam, penso que estou livre do diálogo vazio; e estou. Mas não estou da perda de tempo .Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tacTic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac Tic tac…
Tic tac Tic tac
Tic tac
Tic....
Geane Oliveira

25 de Agosto de 2016

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

A linha tênue entre o absurdo e o real – Por Raphael Andrade.

Raphael Andrade: Ator, Graduando da Licenciatura em Teatro da UFPA.

O coletivo de Teatro “Palha” – 35 anos de história, trouxe à cena, de forma gratuita, três clássicos dos fundadores do “teatro do absurdo” que tem fortes características do chamado “teatro moderno”, instituído a partir do século XX, pós- segunda guerra mundial. Criado a partir da ruptura do “Naturalismo” cênico que, até então, dominava as convenções teatrais.
Na temporada de 18 a 21 de agosto pude assistir ONDE TERÁS QUE ESPERAR... A partir do recorte do texto "Esperando Godot" (1953) do dramaturgo irlandês Samuel Beckett (1906 – 1989).
Era noite, um grande público estava à espera de adentrar ao teatro – pensei sobre o número de espectadores: a lotação se fazia por ser gratuita, ou por ter a oportunidade de ver um teatro não habitual em terras tupiniquins? Bom, isso são questões que vão além do meu métier enquanto artista desta terra (apesar de já ter uma noção desta análise). Para mim, que já tinha lido o referido texto, não tinha expectativa em torno da obra, por tê-la achada sem nexo e graça. Ainda bem que o hibridismo de formas com que o teatro pode ser feito guarda surpresas agradáveis que aguçam a imaginação.
Ao ingressar no lugar da mise-en-scène, fui transmutado imediatamente para a simbologia dos objetos apresentados – uma colossal-assombrosa-solitária árvore sem vida feita de folhas de jornal que, ao olharmos rapidamente, pareciam pedras rústicas dando um ar sombrio em uma estrada sem começo nem fim, onde a cenografia atende à funcionalidade do que se pretende, aliada ao figurino bem elaborado com ornamentais símbolos de morte/vida e o perfeito visagismo das atuantes, que nos remetia a cadáveres presos no limbo, somados a primeira ação das duas atuantes que com a técnica sonora do gramellot acrescida de gestos, ritmos tensos e ruídos,  nos transportando para um lugar pós guerra e todas as suas mazelas imposta à humanidade. Após este jogo onomatopaico, a narrativa segue com crises existenciais, onde a figura humana perde a própria identidade – apenas vaga para lugar nenhum.
No prólogo, o encenador já nos mostra tantas características simbólicas do teatro do absurdo que, a meu ver, não havia a necessidade das personas se comunicarem na linguagem habitual – já bastava-nos a sonoridade do gramellot para entendermos os acontecimentos que a peça nos quer expor, mas entendo que seria de mau entendimento para quem não soubesse nem o prefácio da obra literária.
No primeiro ato, contracenam apenas dois personagens “Didi” e “Gogo” dois personagens com um corpo extracotidiano e sofridos quase grotesco à espera de Godot (não se sabe o motivo pela espera). Neste exausto diálogo sem nexo, com pequenos traços estilísticos da tragicomédia nas “brincadeiras mórbidas” de risível acidez expressam o “sentido do sem sentido” da condição humana e a amarga interiorização das personas ao se defrontarem com o nada e da abordagem não racional – características intrínsecas do teatro do absurdo.
Nesta elaborada concepção cênica, tudo estava milimetricamente organizado – a sonoplastia que a partir dos signos sonoros remete-nos ao deserto com sons de grilos ou do pêndulo do relógio, ou nas sutis modulações do desenho das luzes – ora dia; ora entardecer; ora noite. Apenas o ruído do strobo me tirou a atenção da encenação. Quando as ações cênicas davam um ar de enfastiante (temos a péssima pretensão de saber rapidamente o desfecho da peça), o segundo ato se desenvolve e muda o foco com a entrada de duas personas, uma delas escravizada com seu “senhor” acima de sua carcaça exaurida. Reflito: a sujeição a qual uma pessoa “pertence” a outra era para ser algo impensável, um absurdo. Nesta perspectiva, estamos de tal maneira imersos no conto abordado que nos parece, por vezes, algo normal frente a todas as angústias que os personagens nos revelam nesta crise existencial fronteiriça da contemporaneidade – fome, (des)caminhos, escravidão, medo, solidão, doenças corporais e da mente, guerras, vazios e chagas arraigadas nesta sociedade que pretende fugir desta existência sem prospectiva. Seria esta teatralidade uma linha tênue entre realidade e absurdo?
 A narrativa se estende com a revolta do escravizado, que de tanto apanhar e ser humilhado, muda a regra do opressor e o oprimi. Mas não aguenta o fardo pesado de suas dores e desfalece. Apagam-se as luzes da ribalta, permanecem em cena “Didi” e “Gogo”, como se nada tivessem presenciado, continuam sua busca incessante por Godot, até a entrada de um garoto com aspecto natural na sua bicicleta, referindo que Godot talvez venha amanhã. A espera continua, o luminoso efeito dos sapatos retirados das mãos e posicionado em frente aos pés, responde-nos muitas perguntas ou nos fazem calar ao vazio existencial que a humanidade caminha.
Apagam-se as luzes, apenas os sapatos estão iluminados, para onde caminhar?
Raphael Andrade

22 de Agosto de 2016.

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Cançada, excessivamente Maura, ao largo de Deus. Performance - Por Rosilene Cordeiro.

Rosilene Cordeiro: Atriz performeira, realizadora de cena entre a urb, os campos, rios e matas da grande floresta.

“Significava que só uma psicose, em todo seu esplendor,
poderia consumar a longa greve que tinha sido toda sua vida”.
(Samuel Becket, citado na abertura de O sofredor do ver. Maura Cançado. Contos. 1968)
....................
Aqui estou de novo nesta "cidade triste", é daqui que escrevo. Não sei se rasgarei estas páginas, se as darei ao médico, se as guardarei para serem lidas mais tarde. Não sei se têm algum valor. Ignoro se tenho algum valor, ainda no sofrimento. Sou uma que veio voluntariamente para esta cidade — talvez seja a única diferença. Com o que escrevo poderia mandar aos "que não sabem" uma mensagem do nosso mundo sombrio. Dizem que escrevo bem. Não sei. Muitas internadas escrevem. O que escrevem não chega a ninguém — parecem fazê-lo para elas mesmas. [...] estou no Hospício. O desconhecimento me cerca por todos os lados. Percebo uma barreira em minha frente que não me deixa ir além de mim mesma. Há nisto tudo um grande erro. Um erro? De quem? Não sei. Mas de quem quer que seja, ainda que meu, não poderei perdoar. É terrível, deus. Terrível faz muito frio. Estou em minha cama, as pernas encolhi­das sob o cobertor ralo. Escrevo com um toquinho de lápis em­prestado por minha companheira de quarto, dona Marina. O quarto é triste e quase nu: duas camas brancas de hospital. Meu vestido é apenas o uniforme de fazenda rala sobre o corpo. Não uso soutien, lavei-o, está secando na cabeceira da cama. Encolhida de frio e perplexidade, procuro entender um pouco. Mas não sei. E hospício, deus — e tenho frio
(Maura Lopes Cançado[1]. Hospício é Deus. 1965. Grifos nossos).

[...] Quarenta e oito anos me separam de Maura e a publicação de seu primeiro livro. 2013 foi nosso ano inaugural, primeiro contato meu com a obra, em que fomos apresentadas, literariamente. Exatamente ali no ano de 2013, no momento em que o ator e meu amigo há quase uma década, Denis Bezerra[2], me apresentou um texto em 30 páginas pedindo que eu lesse com carinho e depois me pronunciasse quanto a ele. Denis, já se confessava encantado com o que acabara de ler, mas desejou saber minha opinião. Havia, inclusive, naquela mesma ocasião, naquele gesto entre amigos leitores-atores a sinalização da possibilidade de interpretá-lo sendo dirigida por ele, posteriormente. Isso, por ser, digamos, uma pessoa na qual ele apostava ‘alguns tostões’ para dar vida a tão rica presença; vida cênica a uma genialidade que envolvia a personagem Maura, em seu discurso solitário de muitas vozes, que a revelava em cada trecho descritivo de sua narrativa insalubre e fétida pelo lastro que deixava em nós, seus leitores desavisados.
O texto, uma adaptação do livro Hospício é Deus, da escritora Maura Lopes Cançado, realizada pelo escritor, (poeta) paraense Ney Ferraz Paiva, apresentada diretamente ao Denis Bezerra, para uma montagem cênica a ser desenvolvida como ação integrante da programação do Colóquio Blanchot, ocorrida em Belém-PA, no mesmo ano. Daí estabelecemos um pacto cavalheiresco, e neste primeiro aparecimento foi exatamente isso que fizemos: uma apresentação artística para composição de um evento literário. Ele atuando e eu o “dirigindo” como ele gosta de pensar.
À primeira impressão, a sensação que decorre é a de invasão, mesmo, o estranhamento pela pureza e minúcia de detalhes que cercam o relato da autora. Um escrito direto, sem rodeios, cru, de uma crueldade fabulosa e fabulante pela simplicidade e clareza com que ela vai descrevendo a mente, o viver e o sentir ‘daquela’ mulher por vezes sombria e atormentada, mas tão lúcida em insanidade, tão delicada, forte, tão bem lapidada pela dor que, na verdade, não é outra senão ela mesma atravessada pela autobiografia surpreendente de seu estado de paciente no hospício que a acolhera até o findar da vida. Sedutora e inquietante, refiro-me, ainda, ao texto que ao meu ver é, ao mesmo tempo, uma vontade de entrega e negação, na mesma ordem em que vai nos desorganizando orgânica e simbolicamente, conseguindo preencher esse vazio largado por dentro da alma, vontades antigas de experimentar uma densidade mais fria e experimental em teatro, chegando, inclusive, a romper com ele enquanto literatura.
A literatura o prendia, igualmente, talvez nem fosse para teatro (pensava eu àquela altura). Mas o fato é de que se tratava de uma textualidade reveladora de uma realidade, muitas vezes, ignorada vivencialmente: a loucura nossa de cada dia (não dramatúrgica e altamente dramatúrgica, se é que me faço entender!), à qual qualquer ator pesquisador com forte gosto pela literatura de qualquer natureza se dobraria sem esforço, num certo percurso mais amadurecido da carreira, assim, num jogo abismal, sem qualquer resistência, num gesto de candura e doação.
Interessante como sua escritura, quando pensada cenicamente, é feminina e livre pela forma com que se desprotege gramaticalmente, rasgando qualquer tratado de relação classicista com estilo literário, teatral, social ou de gênero, pela visceralidade depravada e animalesca de um ser que vai diluindo-se nas palavras sem qualquer compromisso ético ou estético com seu tempo e sua condição de inter-NADA. Ela mesma declara que não tinha essa compreensão poética do que escrevia. Para Maura, tudo que escrevera foi dor, sua própria vida.
Uma mulher em conflitos pessoais, sem amarras, estando totalmente subjugada a um sistema que a declarou louca, isolando-a do que lhe restou do mundo, nesse trabalho com Denis Bezerra, vira única condição à qual a persona Maura, da escritora Maura Cançado está sujeita (porque aqui estou agora a me referir à cena): a vontade que a move para dentro desse abismo de tanto e de nada, com o derradeiro propósito de apenas Ser e lançar-se ao tempo da escrita, [para nós, o tempo da cena] que para ela, sequer, seria elevado ao status de livro, muito menos espetáculo. Uma mulher ignorada e nenhum pouco ignorante, revelando-se ao mesmo que re-definINDO esse lugar da palavra “que instaura os discursos” cênicos na imaginação dos espectadores-leitores, que ela toma como sua apresentação pessoal em uma carta de liberdade sem tempo, sem controle, mas muito bem localizada: compilada em hospício, reportada a precariedade e ao confinamento no qual passou os últimos e tenebrosos momentos de sua existência terrena, o mesmo que nos atormenta e deprime só de imaginar.
Dramaticamente, pode-se dizer que esse é um trabalho artístico técnico-residual sobre esse exercício gostoso entre literatura, teatro, dramaturgias pessoais e performance que, ora nos comprime, ora nos dilata, atirando-nos a todos, a todos os lados: sobre o seu período de internação no Hospital de Engenho de Dentro, do qual relata a si mesma, uma paciente na impaciência, em excessos e excedência de ver. Sobre Denis, em sua ‘eterna’ busca, pessoais e artísticas, nesse momento concentrado em memórias cênicas, história e teatro; sobre mim nessa rota incerta, imprevisível entre cena e vida, nessa fresta numinosa  que nos cega, ao mesmo que aclara a visão: do que temos, quem somos e o que queremos com a nossa arte.
Espelhos, sombrinhas, tecidos, lanterna, cartas... papéis aos montes, dispersos pelo palco do mesmo modo que espalhados por dentro dela para desvendar o mundo como exímia amazona da loucura quixoteana, poeta de seu próprio ser, salvadora de seu florescer, reinventar-se para não morrer.
E havia de ser o Ator Denis Bezerra que encerraria essa missão a quatro mãos, inicialmente: um texto de mulher, reescrito por um homem, “dirigido” por uma mulher, en-cena-do por um homem, o que, àquela época resolvemos fazer. Hoje o trabalho é dele, deixo bastante claro! De lá pra cá estão três anos de uma pesquisa performativa de fundura não mensurável em palavras. Muitos encontros, várias indagações, descobertas e perdas, muitas perdas. A primeira é aquela que fizemos ao romper com a adaptação e mergulharmos na integralidade do texto literário, no livro Hospício é Deus com maior propriedade e desconfiança, em adentrar o hospício de Maura e os nossos. A segunda se dá ao optarmos pela performance por compreendermos que Maura, de tão boa torna-se fugidia, escorregadia, disforme, reinventando-se em cada intervenção. O teatro a levaria de novo ao quarto no qual descreve, sucessivas vezes, sentir frio e estar só. Esse é um trabalho para ser com-partilhado com as ilhas que somos.
Maura Lopes Cançado, cançada de Deus ou apenas “Maura”, como hoje a intitulamos é, portanto, essa reverberação da insanidade clara como o dia, a dela, a dele, a minha, a nossa; da nossa loucura diária, da loucura e do hospício do Denis (brilhantemente vivida no interior desse período de pesquisa e de escrita de sua tese, na construção do seu doutoramento como amante pesquisador que todos sabemos que ele é; de professor e ator dedicado, apaixonado pela literatura, como todos sabemos e aprendemos a conhecê-lo; como artista re-descobrindo-se e reencontrando a cidade onde vive nos espaços onde se apresenta e pela qual milita estudando-a e compartilhando-a pelas cenas da memória). Um trabalho acompanhado por mim, seguindo, perseguindo-o, observando-o, conversando com ele nesse pisar inseguro, irregular, caminhando para sua 6ª [a]presentação, fugindo e aprisionando-nos mais e mais a ela, tragando-nos para dentro de si Deixando-a ir ditando os caminhos por onde seguimos e que vamos esquecendo para vermos os que ainda estão por vir.
O trabalho compôs a vasta programação que integrou a “Instalação Performática MEMÓRIAS, RETALHOS E FIOS: cenas teatrais em Belém do Pará”, do Denis Bezerra e penso que brinda um momento importante em nossas carreiras: a do Denis Bezerra como atuante, retornando à cena artística depois de alguns anos dedicados à pesquisa acadêmica e a minha como essa pessoa errante, aprendente de cena, cada vez mais inconformada e co-movida pelos estudos da Perfomance, ‘casando’ com ele nessa proposta cênica. Uma rastreadora de possibilidades em conflitos, uma observadora de fechadura, num inconformismo desejoso, feliz e sem tréguas dessa arte que de ser, já foi, que de ser em ser e ir em ir, sempre volta, sempre única, sempre outra, numa lesão em cada golpe que nos deixa em ato.
Maura seria, então, essa faca de duplo corte: um que nos pune em cada ato, outro que nos salva em cada marca, como esta que vai nos deixando cada vez que surge e desaparece nessa imensidão de imagens sem fim que vão surgindo e sumindo na névoa que deixou em nós, em nossos quartos brancos ‘nos quais ficamos incomunicáveis’, só nós nos sabemos. E disso, me sinto, particularmente, contemplada e encantada e, porque não dizer, bastante satisfeita, uma co-realizadora participante, feliz. E, com certeza, meu único ‘papel’ ou minha maior alegria foi contemplar seu aparecimento, vê-lo crescer, conversar com ele, me emocionar e aprender com ele na pessoa desse jovem atuante. E como ele foi fundo... Bem vindo, caro ator, aos Estudos da Performance! O recebo e saúdo com a intranquilidade, a insatisfação e a incompletude com que os seguidores dessa importante linguagem artística conhecem tão bem, atributos sem os quais não estaríamos hoje aqui.
Rosilene Cordeiro
10 de Agosto de 2016
FICHA TÉCNICA:
Performance Maura.
Atuante: Denis Bezerra
Acompanhante artística de percurso: Rosilene Cordeiro
Objetos em cena e figurinos: Denis Bezerra
Vídeos, imagens e projeções: Denis Bezerra, Rosilene Cordeiro
Texto original (inspiração livre):Maura Lopes Cançado







[1]Maura Lopes Cançado, mineira, literariamente surgida no Movimento Cultural Renovador (o instinto suplemento dominical do Jornal do Brasil, no final dos anos 50 ao lado de Ferreira Gullar, Reynaldo Jardim, Assis Brasil e outros contemporâneos notáveis). Escreveu pouco, viveu o bastante para sentir-se só e sofreu o suficiente para sangrar em alguns relatos estarrecedores de interna no ‘cubículo 2’ que ninguém visitava. Um sofrimento salutar para sua escrita autoral, amoral, em Hospício é Deus (romance autobiográfico, um diário literário escrito em 1959 e publicado em 1965, tendo sido considerado um sucesso ímpar pela crítica, um dos melhores do ano), estendido ao livro de contos O sofredor do ver, 1968, nos quais se sagrou uma anônima brasileira sem precedentes.

[2] Ator, diretor, professor e pesquisador de história do teatro no Pará na UFPA como docente e coordenador do Curso de Licenciatura em Teatro. Email: denisletras@yahoo.com.br

domingo, 3 de julho de 2016

Variedades? - Por Jaqueline Miranda

Autora da Crítica: Jaqueline Miranda, Graduanda da Licenciatura em Teatro UFPA, Bolsista PROINT 2016 pelo Projeto TRIBUNA DO CRETINO
O palco escolhido foi a Praça Batista Campos, mais precisamente entre duas árvores em frete ao castelinho, onde eu estava sentada em uma das pedras. Demarcando o espaço, uma corda no chão e algumas capas de sobrinhas, os lugares "Vips", segundo denominação dada pelos palhaços da Trupe Nós, os Pernaltas. Algumas pessoas se aproximam e tomam o espaço, logo voltando sua atenção para os palhaços que, em breve, começariam a apresentação do espetáculo Varieté. De imediato identifico algo que me desperta muito interesse em escrever esta crítica, isto é, a sonoplastia. Fiquei muito entusiasmada quando vi vários instrumentos musicais no centro do palco, pois a palhaçaria me chama muito atenção e mais ainda quando os palhaços tocam e cantam ao vivo, mas também confesso que fiquei frustrada, pois  não houve um melhor aproveitamento desse recurso. Compartilho, então, minhas impressões sobre o modo com que a música foi executada neste espetáculo, a seguir.   
Considero que as músicas escolhidas e entoadas pela trupe foram executadas de modo um tanto atrapalhado, com erros na letra e no ritmo musical – na música, certa quantidade de tempo somada a uma de silencio cria um movimento chamado de ritmo ou pulsação. Percebi também que as músicas serviam apenas para tapar alguns buracos – como, por exemplo, de indecisões dos números que viriam depois. Enquanto assistia ao espetáculo me vieram alguns questionamentos, tais como: não seria melhor se apropriar de apenas um recurso técnico, como nesse caso – por exemplo, o musical – do que fazer uma variedades de coisas e não executá-las bem? Isso é o que me chama mais atenção na apresentação da Trupe, pois pude perceber que a música não teve um papel positivo na apresentação dos palhaços, fiquei bastante incomodada não só pelos erros, mas também pelo mal uso das músicas em cena.
Houve um número que me chamou atenção e se dava do seguinte modo: Dois palhaços pegavam seus instrumentos – um tambor e um triângulo respectivamente, – e tocavam uma música regional para que um terceiro palhaço chamasse alguém da platéia para dançar; até ai tudo bem, enquanto não haviam começado a tocar, pois quando começaram, demorei um pouco para entender qual a música que eles tocavam, pois o palhaço que estava com o triângulo não tinha noção básica de música como de ritmo, conhecimento obrigatório pra quem toca algum instrumento de percussão, nesse caso o triângulo.
A partir disso penso que eu em quanto artista se não domino alguma área artística – seja ela a música, a dança ou o teatro – não seria adequado fazer uma variedade de coisas que, fatalmente, serão mal executadas por mim. Na condição de musicista com experiência na área de violão popular, violino, flauta e canto lírico saio do espetáculo Varieté com a impressão de que havia apenas a vontade de executar a variedade sem se preocupar com a qualidade que chegaria ao público.  Não é pelo fato de não me apresentar para uma platéia formada por músicos que não devo fazer uma boa música e creio que isso serve para todas as áreas, porque penso que a arte tem o poder de tocar as pessoas e a arte bem feita chega em lugares que pode se transformar.
Como me alegra a iniciativa da Trupe em levar a arte a lugares com acessibilidade a todos os tipos de pessoas – sejam elas crianças, jovens, adultos ou idosos. Mas me instiga também a qualidade com que isso chega a essas pessoas, não me refiro a qualidade em recursos, pois se pode fazer um palhaço com apenas um nariz pintado de vermelho ou não, contanto que a minha alma seja de palhaço e que isso chegue as pessoas.
Jaqueline Miranda

03 de Julho de 2016

quarta-feira, 29 de junho de 2016

Um dia dos namorados brega e sem alguém pra dançar – Por Alzira Power

Autora da Crítica: Alzira Power, Colaboradora do Projeto TRIBUNA DO CRETINO.

Inspirado na discografia de Reginaldo Rossi a Cia. Ferber de Teatro e Dança  encerrou a segunda temporada do espetáculo Bar do Rei, no Teatro Universitário Cláudio Barradas, no dia doze de Junho. Com elenco relativamente grande além da iluminação, preparação corporal, vocal, figurino e maquiagem, bastante gente envolvida nesse trabalho ficando a cargo de Renato Ferber a direção geral.
No momento em que pergunto sobre o valor do ingresso do espetáculo na bilheteria, me apresentam dois valores: um mais barato chamado de plateia, e outro mais caro chamado de mesa. Óbvio, escolho o mais barato com meia-entrada. A primeira sessão do espetáculo ainda não havia acabado e fico em frente ao teatro esperando. Ao acabar, percebo certa animação do público saindo do teatro com um sorriso no rosto, noto que algumas pessoas, na maioria mulheres, estão segurando flores e isso me leva logo a pensar: será que é pelas flores que existe essa diferença de preço nos ingressos? Poxa, será que deveria ter pagado mais caro? Será que não vou me arrepender? E logo me respondo: se for pelas flores, claro que não! E se tiver cervejinha? Humm...
Mais um tempo de espera e lá vou eu para a segunda sessão. Na fila que se forma para entrar no teatro, de longe vejo um letreiro luminoso com o nome BAR DO REI já me sinalizando a breguise com a qual iria me deparar. Ao me aproximar, cada vez mais, ouço uma canção de Reginaldo Rossi, interpretada por uma voz cafona e ridícula. Ao adentrar no “Teatro – Bar” de imediato me deparo com a criatura dona da voz cafona e ridícula, assim como o seu figurino e maquiagem. A mulher que nos recepciona com a voz caricata na entrada é Miguela, proprietária do bar, que nos recebe de maneira bem animada e descontraída e é assim, de maneira descontraída, que o espetáculo começa e se mantém até o fim.
O espetáculo Bar do rei é puramente comercial, é teatro de entretenimento; chega a ser muito atrativo, pois é inspirado na discografia de um dos maiores cantores de brega, estou falando de Reginaldo Rossi um artista pós- jovem guarda, que por fazer parte desse panteão do gênero brega, fez e ainda faz muito sucesso no meio de boa parte da população brasileira, mas que não agrada a todos.  Ao assistir BAR DO REI lembrei da minha infância ao lado da minha avó materna. Vó Jacirema era uma mulher robusta de gargalhada espalhafatosa, adorava dançar ouvindo Reginaldo Rossi, Waldick Soriano entre outros, isso quando não ouvia merengue; eu era uma criança esguia e de vez em quando, minha vó me puxava pelo braço e dançávamos juntas na sala da casa dela. Assim acompanhando minha vó e ouvindo essas músicas passei a suportar as letras e depois de algum tempo cantarolava sem perceber e hoje até gosto de algumas canções. Há alguns anos atrás senti vontade de ir para o show de Reginaldo Rossi aqui em Belém, por sinal o seu último show na cidade antes dele morrer. Me arrependi de não ter ido, pois essa oportunidade nunca mais terei.
O momento exato que me fez lembrar dessas memórias da  minha infância foi quando os intérpretes chamam o público para juntos dançarem. Eu não dancei pois não havia companhia, ou melhor eu é que dancei! E não apenas nesse momento, pois poderia ter bebido umas cervejinhas se estivesse escolhido a mesa.

Mesmo o espetáculo sendo apenas comercial, provocando o riso a todo custo e cheio de improvisações, o que não me agrada tanto avalio que o trabalho como um todo estava bom, pois, havia canto e dança muito bem executados com pequenas falhas que não comprometeram tanto assim a apresentação. Enfim, não é uma recomendação mas se você quiser se distrair, dançar e dar boas risadas, espere a terceira temporada.  Até Logo.
Alzira Power
29 de Junho de 2016

terça-feira, 28 de junho de 2016

Oh raia o sol, suspende a lua! Olha o palhaço no meio da rua! – Por Alzira Power

Autora da Crítica: Alzira Power, Colaboradora do Projeto TRIBUNA DO CRETINO.
O espetáculo estava marcado para começar às onze horas da manhã. Ao chegar à Praça Batista Campos, encontro dificuldades de localizar os artistas, pois havia uma movimentação maior do que a de costume nas manhãs de domingo na praça  – uma das vias paralelas a praça estava fechada por conta da festividade de um tal Santo Antônio de Lisboa. Ao longe os localizo por entre árvores e ocupam uma das passagens da praça, próximo ao Castelo – um monumento que há na praça.
 Ao me aproximar vejo o primeiro palhaço, Bufo (Johnny Russel), num diálogo com o público, era um chamamento para que as pessoas que circulavam por ali fossem assisti-los. Enquanto se comunicava, o palhaço Bufo arrumava no chão umas capas de sombrinhas (tecido que reveste a estrutura da sombrinha) para o público sentar e, ao arrumá-las, dizia a todos que logo mais o espetáculo começaria. Em meio aos diálogos de Bufo, outras duas integrantes da Trupe Nós, Os pernaltas, terminavam de se arrumar, para a apresentação do espetáculo Varieté. Uma já estava praticamente pronta e usava perna de pau, enquanto a outra terminava de se maquiar.
O espetáculo começa com certo atraso. Bufo pega uma alfaia e a segunda palhaça (Bianca Duarte) – a que usava perna de pau – entra em cena com tal energia que não reverbera em mim, sua voz é franzina assim como o seu jogo com a plateia, nada corresponde ao seu belo figurino e a sua tamanha altura e habilidade dada pela perna de pau. A palhaça de Lú Maués entra em cena parecendo esta perdida, mas, com energia; sua voz nos chega com clareza e o jogo com a plateia funciona. A palhaça de Lú aos poucos se localiza no espetáculo, mas vez por outra volta a se perder, principalmente nos momentos em que se tem música. Seu figurino e sua maquiagem são bem simples. O palhaço Bufo tem bom jogo com o público, sua voz também nos chega com clareza e nos mostra que conhece as músicas assim como a palhaça de Bianca, contudo sinto falta de um maior aperfeiçoamento na execução das músicas e na afinação dos instrumentos, coisa recorrente em nossa cidade com grupos teatrais que cometem o mesmo erro, o que me deixa muito decepcionada.
 O espetáculo Varieté é composto pela apresentação de varias esquetes; são números de circo apresentado pelos palhaços para o público, números que são escolhidos pelo próprio público, num jogo feito pelos atores. 
A participação da plateia é ativa em contracena constante com os palhaços. Vale ressaltar que quem participa das cenas com os palhaços são sempre os adultos, deixando a criançada num misto de entusiasmo e frustração em querer participar das esquetes; o entusiasmo e a disposição para participar das esquetes são vetados pela palhaça de Bianca. Não sei se compreendo, talvez fosse uma proposta do grupo, em querer tirar o adulto da sua zona de conforto, tirar essa seriedade que o adulto carrega por ser adulto e ridicularizá-lo, diferente das crianças que até uma determinada fase da vida, agem de forma natural, sem ter preocupações com qualquer resposta do outro, não se incomodam se a roupa que lhe vestiram é muito colorida ou se usa um laço enorme na cabeça; a criança sorri mesmo quando esta banguela, rindo, por assim dizer, da sua própria condição, e nesse sentido vejo uma aproximação com o palhaço por se permitir a esse estado natural, que para alguns parece ridículo.
Posso dizer que o espetáculo Varieté apresentado pela Trupe Nós, os Pernaltas ganhou meus sinceros risos, mesmo que esses poucos risos tenham sido ocasionados por algum tipo de falha. Saio da Praça Batista Campos pensando nas referencias que eu tenho de palhaços. Lembre de um boneco de minha infância, um palhaço feito todo de tecido de uma prima que o usava para assustar as crianças mais novas, inclusive a mim. Depois lembrei ainda que nunca havia visto um palhaço no circo, pois nunca tive oportunidade de entrar num. E uma última lembrança que tive foi a de uma roupa de palhaço que havia ganhado na infância e que nunca vesti, pois me faltava o nariz vermelho e eu pensava que sem ele não seria uma verdadeira palhaça. Neste momento, pensei então: o que é um verdadeiro palhaço? Sem a erudição da academia e longe de dar resposta exata a essa pergunta, penso que o palhaço caminha num circulo oposto ao que a nossa sociedade caminha, é um ser desalinhado que comove, faz rir, que diz aquilo que sente internamente, mesmo que isso seja para apontar a falha de alguém, denunciar uma ausência, como fez sutilmente o palhaço Bufo (Johnny Russel) ao dizer que o secretário de cultura do estado só investe em ópera.
 Não posso deixar de dizer que ao ouvir “Oh raia o sol! Suspende a lua, olha o palhaço no meio da rua!” não me contive em cantar e aplaudir. Nesse momento parecia que havia um sentido do povo estar ali assistindo o espetáculo e dos palhaços estarem ali, na rua, na praça. Houve entrega e envolvimento sincero entre os palhaços e o público que ali circulava. Vejo como um ato de coragem e de resistência artística, levar o teatro pra rua, ainda que com algumas falhas. E pensemos melhor nessas faltas e falhas! Até logo.
Alzira Power
28 de Junho de 2016

terça-feira, 21 de junho de 2016

Não foi o Boto – Por Jaqueline Miranda.

Autora da Crítica: Jaqueline Miranda, Graduanda da Licenciatura em Teatro UFPA, Bolsista PROINT 2016 pelo Projeto TRIBUNA DO CRETINO
Apresentada no Teatro Waldemar Henrique, A Lenda do Boto Cor de Rosa é um espetáculo teatral de teor cômico escrito por Jorge Miranda e realizado pela Cia Corifeus de Teatro – dirigida por Douglas Mourão e Jorge Miranda.
 A peça conta a historia de uma família de ribeirinhos e se passa na década de 80 no Pará no século XX. Antônio é o mais velho de três irmãos, um rapaz formoso e bravo, o estilo de homem que todo mundo no vilarejo tem medo, ao contrário de seus irmãos Zelito e Marcolino. Antônio tem a mulher que quiser, por ser considerado o macho alfa, ou o tipicamente "galo do terreiro".
Antônio é encantado pelo Boto cor de rosa numa noite de festa e após ficar horas desaparecido se apresenta aos pais trazido por Vardico, que supostamente o havia  encontrado com uma nova personalidade desconhecida pelos familiares. Antônio, agora fica mais frágil, gentil e até mesmo romântico, atraindo ainda mais as mulheres. São chamados uma mãe e um pai de santo até sua casa, a fim de acabar com o encantamento do boto. São feitas rezas para que o suposto boto “caísse de dor”, mas quem é encontrado pelos dois irmãos de Antônio, é Vardico que se retorcia de dor perto da casa.
A verdadeira história por trás do encantamento do Boto cor de rosa é que Vardico mantinha um relacionamento com Antonio e para que houvesse uma desculpa em relação a sua mudança de comportamento, fez sua própria versão da lenda Amazônica do Boto – na versão original se conta que em noite de festa o boto sai das águas e se transforma em homem para engravidar as mulheres ribeirinhas.
O espetáculo me despertou algumas inquietações como, por exemplo, até que ponto posso chegar para esconder algo que eu sou, mas que a sociedade vê como errada, que meios, muitas vezes, sou levado pra camuflar ou reprimir ideias e escolhas? Me coloco no lugar do personagem Antonio quando me vejo na necessidade de usar roupas tidas como adequadas para freqüentar alguns lugares formais para que as pessoas me aceitem e não me olhem com estranhamento. Refiro-me, particularmente, a seguinte situação: quando estou em um dos órgãos do estado cumprindo a carga horária do estágio referente ao 7º semestre do curso de Licenciatura em Teatro da UFPA e preciso chegar com uma roupa que as pessoas daquele meio estão acostumadas a ver; neste ambiente preciso abrir mão da minha roupa de ensaio, concordando com a regra da calça social e da blusa de botão que está enraizado em mim, para não ser repreendida. Me vejo, então, colocando a máscara de Antonio que se faz de homem bruto, ameaçador e conquistador, quando na verdade é alguém sensível e frágil, mas se coloca naquela posição para não ser julgado. Quantas vezes quis ser eu, mas precisei assumir convenções alheias ao que acredito. Não quero precisar usar uma lenda pra verem quem eu sou, o que penso e o que eu realmente quero dizer; não quero me camuflar ou trocar de máscara todos os dias, mas está tudo no automático que nem eu percebia, tomava aquela verdade como minha quando na verdade penso o oposto: uma calça jeans ou uma roupa social não representa o que sou ou o que penso.
Agora me vejo no lugar da família de Antonio julgando suas atitudes, quando estou no mesmo órgão do Estado estranhando aquelas pessoas que não vão a uma aula de Teatro vestidos como eu vou e quando quero que elas adotem a minha maneira de perceber as coisas, sem ver que isso causa nelas o mesmo estranhamento que é causado em mim. Então não quero ser como Antonio, nem ver como sua família, quero apenas não julgar e não ser obrigada a usar uma blusa de botão.
Jaqueline Miranda

21 de Junho de 2016